segunda-feira, 15 de setembro de 2014

no escuro do mundo

por Caroline Stampone

no escuro do mundo
sei palavra nenhuma
no começo do mundo
tudo o que posso
é um grito

no escuro do mundo
a tua voz me aconchega
as cores não existem
a amizade sim

no escuro do mundo
o sono é necessidade
a verdade coisa inventada
o amanhã desconhecido

no escuro do mundo
não há nada mais valioso do que um abraço
coisa ainda sem nome
gesto que já sabe expandir
e até  parar o tempo

no escuro do mundo
o canto das sereias tem espaço
o medo ainda não nasceu
a fé não tem precisão de ser inventada
e sabemos chamar a vida pelo nome certo
um nome impossível
impronunciável
que dança dentro de nós
antes do esquecimento.

um abraço e inté a próxima

Nenhum comentário:

Postar um comentário