quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Quando uma história acaba

por Caroline Stampone

Escrever uma história. Decidir como ela começa e como acaba.
Saber quando a história acaba...
Não é fácil acabar uma história. E não refiro-me apenas a escolher um final e registrá-lo. Refiro-me a sensação de história acabada. Ponto final e definitivo.
Cada vez que voltamos os olhos sobre o que ficou escrito parece que tem mais alguma coisinha que precisa ser dita, ou então descobrimos que há palavras sobrando, ou que há um jeito melhor de dizer tal coisa.
É que também nós oscilamos. Quem escreveu uma história ano passado não é a mesma pessoa que a lê agora.
Uma história que nasceu sob influência da esquizofrenia social de que fala Deleuze, não aparecerá a mesma para quem lê obcecado por contos populares africanos ou pela história da arte européia. Uma história que foi vomitada no começo de uma paixão não será a mesma meses depois, num dia morno e sem sal. As oscilações, obsessões e verdades momentâneas do leitor falam com o que está escrito.
Também quem escreve quando debruça-se sobre o que escreveu é de certo modo um leitor.
Pergunto-me: como saber quando a história está acabada?
Respondo dando voltas a pergunta. A gente não sabe não, decide. Há quem decida começar pelo final, há quem encontra o final pelo meio do caminho, há quem decida finalizar uma história porque vive um momento em que não tem mais nada a dizer e há quem goste mesmo de brincar de deus. Em todo caso, o fim da história é uma decisão. 
Concorda? Discorda? 
E você, como é que sabe quando é hora de acabar uma história? 

um abraço e inté a próxima

Nenhum comentário:

Postar um comentário