sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

meu encontro com uma dúzia de "I love you"

por Caroline Stampone

"I love you"_ dito assim de uma forma matreira. Ela devia ter uns quatro anos. Queria falar comigo. Mas eu não sabia a língua dela e ela não sabia a minha. 
O pequeno foi quem iniciou o gesto amigo. Abriu a boca para redesenhar o 'não'. É que por enquanto a única palavra que sabemos identificar na língua dele é o 'não'. 
Mas ele não usa o não como a gente. Ele diz "nãonãonãonão!" quando quer dizer "gostei de você". Usa o "não não?" quando quer dizer "quer brincar comigo?". Usa o "nãaao" para dizer "fiz cocô". Usa o "não" para dizer "não" também, mas daí a entonação é outra e fica bem clarinho que ele quer dizer: "Não quero ir embora!". 
Naquela manhã ensolarada ele redesenhou nãos e convidou aquela garotinha a fazer parte das nossas vidas. 
Ela chegou toda falante, despejando em nós palavras duma língua estranha. Devolvi a ela uma estranheza embrulhada em sorrisos e braços descoordenados. Por fim, recorri ao inglês, uma língua onde nem eu nem ela habitamos, mas que por uns minutos soube ser a nossa casa impossível. 
Ela ficou curiosa. Deve ter reconhecido algumas palavras dos desenhos. Por fim, sorriu um desses sorrisos em que mostra-se mais do que os dentes e atirou-nos encima: 
"I LOVE YOU"
Nos dez minutos seguintes, uma dúzia de crianças, encantada com a brincadeira de gastar uma língua estranha, correu na nossa direção e jogou-nos encima: "I love you, I love you, I love you, I love you! I love you? I? love? you? Iloveu, i love you"
cochichado, gritado, dito em pedaços, envergonhado, sabido, ignorado
"I love you" era tudo o que eles sabiam dizer em inglês. 
Aquela dúzia de "I love you" atirada em nós, por aqueles pequenos desconhecidos, fez-nos mais leves, mais inteiros, mais próximos da compaixão. 
Aquele encontro com o "I love you" dos pequenos desconhecidos abriu-me os olhos para o fato de que há SIM muita BELEZA no mundo. 
Depois daquele encontro fiquei pronta, outra vez, para dizer SIM à vida, ao mundo, às pessoas. Reaprendi o SIM de quem luta, de quem se ocupa de lutas cotidianas. Não o sim cansado, de quem concorda para ter menos trabalho. 

um abraço e inté a próxima 


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

os poetas e as galinhas

por Caroline Stampone

os poetas mortos
dançam entre nós
sem medo da fome ou do escuro
cansados
cansados da surdez dos homens que nunca param
                                                                               as galinhas no quintal
                                                                               cacarejam
                                                                               parecem saber mais da vida
                                                                               do que aqueles que só correm
                                                                               sabe-se lá pra onde...
os poetas mortos
reviraram o lixo
sapatearam sobre a tv
abriram livros nunca lidos
beberam todo o suor do mundo
mas ninguém os notou
                                                                    as galinhas foram todas metidas
                                                                    numa gaiola
                                                                    esqueceram de atirar-lhes
                                                                    milho

                                                                    as galinhas não cacarejaram
                                                                    por três dias inteiros
                                                                   antes do fim
                                                                                    acabaram por comer os próprios ovos

os poetas mortos 
abraçaram as galinhas todas
aprenderam a cacarejar
quiçá iam finalmente ser ouvidos...
                                                        ,,, foram parar todos 
                                                                                       galinhas e poetas
                                                                                                                 no prato
                                                            foram mal mastigados
                                                            com pressa 
                                                            e defecados 
                                                            sem o devido tempo para a digestão.