segunda-feira, 14 de setembro de 2015

A concise chinese-english dictionary for lovers de Xiaolu Guo

No fim de dezembro ganhei um punhado de livros escritos por autorxs chinesxs. Presente bonito. Fico sempre feliz quando ganho livros. Ainda mais quando a intenção é dividir mundos. Enfim, folheei um e outro e acabei sendo escolhida por A concise Chinese-English Dictionary for Lovers.
Se julgarmos o livro pela capa corremos o risco de errar feio. Um livro de capa vermelha, com o desenho de uma mulher desnuda e com a face escondida. E ainda por cima com um título que fala de dicionário para amantes? Não é difícil pensar que A concise Chinese-English Dictionary for Lovers trata-se de um livro erótico ou de um desses água com açúcar 'amor e sexo para donas de casa'. Certo?

A concise Chinese-English Dictionary for Lovers é muito mais do que isso. É uma história de descobertas. Fala de uma imigrante em terra estrangeira, descobrindo uma nova língua, uma nova cultura, e, principalmente, a si mesmo.
A primeira coisa que chamou a minha atenção no livro, ainda nas primeiras páginas, foi a opção da autora de expor um inglês imperfeito. Mostrar a ossatura da tentativa dessa imigrante de apropriar-se de uma língua. O inglês das primeiras páginas não é o mesmo do das últimas. A primeiríssima frase do livro, antes de mais é: 'sorry of my english'. Desculpas mal escritas que deixam claro que o próprio idioma da história é parte da história a ser contada. A história de uma imigrante em terra estrangeira. Uma história em que as frases nas quais faltam preposições, verbos, conjunções e acertos contam já um pouco da história dessa a quem as palavras também faltam. A quem o estar em casa falta.
Com o passar dos meses e das páginas as frases vão ficando cada vez mais estruturadas. É porque aos pouquinhos a língua inglesa passa a fazer parte de Z. Assim como outros pedaços perdidos em Londres.
Z é e não é o nome da protagonista dessa história. Como ela bem explica:
Nobody know my name here. Even they read the spelling of my name: Zhuang Xiao Qiao, they have no idea how saying it. When they see my name starts from 'Z', stop trying. I am unpronouncable Ms Z” (18)
Ninguém sabe meu nome aqui. Mesmo quando eles leem como soletrar o meu nome: Zhuang Xiao Qiao, eles não têm ideia como pronunciar isso. Quando eles vêem que o meu nome começa com 'z', param de tentar. Eu sou a impronunciável Sehorita Z”.
Estar numa terra estrangeira, onde ninguém sabe chamar-lhe pelo nome, é só o começo da viagem da senhorita Z. Ela está fora de casa. Na terra estrangeira, nesse caso Londres, tudo é diferente. A começar pela comida. A língua. Os hábitos. O valor do dinheiro. O jeito de enxergar a China, que nessa história é a casa. A primeira casa. Casa para a qual a impronunciável Ms Z não olhará do mesmo jeito. 
Outra das qualidades de A concise Chinese-English dictionary for Lovers é que o livro é atravessado por inúmeras comparações entre o dito mundo ocidental e a China. Ms Z assume que está confusa nesse novo mundo. Assume que só pode tentar entender essa nova língua, cultura e hábitos a partir dos seus próprios velhos lugares comuns. Ela faz isso frequentemente depois das aulas de inglês, todas as manhãs. Numa dessas vezes afirma:
After grammar class, I sit on bus and have deep thought about my new language. Person as dominate subject, is main thing in an English sentence. Does it mean West culture respecting individuals more? In China, you open dayly newspaper, title on top is 'OUR HISTORY DECIDE IT IS TIME TO GET RICH' or 'THE GREAT COMMUNIST PARTY HAVE THIRD MEETING' or 'THE 2008 OLYMPICS NEED CITIZENS PLANT MORE GREENS'. Look, no subjects here are mans or womans. Maybe Chinese too shaming putting their name first, because that not modest way to be”. (27).
Depois da aula de gramática eu sento no ônibus e tenho pensamentos profundos sobre a minha nova língua. A pessoa como o sujeito dominante é a coisa principal numa frase em inglês. Isso significa que a cultura ocidental está respeitando o indivíduo mais? Na China você abre o jornal diário e o título encima é 'Nossa História decide que é tempo de ficar rico' ou 'O grande Partido Comunista tem terceiro encontro' ou 'As Olímpiadas de 2008 precisam que os cidadãos plantem mais verde'. Veja, nenhum sujeito aqui são homens ou mulheres. Talvez os chineses são muito envergonhados para colocar seus próprios nomes primeiro, porque isso não é um jeito modesto de ser”.
Além disso, A concise Chinese-English Dictionary for Lovers também conta com as divertidas impressões de Ms Z numa viagem por parte da Europa. Ela passa por Portugal, Irlanda, França, Holanda e Alemanha. Conhece gente, solidão, saudades, lugares e pedaços de si mesma que antes desconhecia. Mas, eu não vou contar a história inteira.
Despeço-me falando do óbvio. Sim, A concise Chinese English Dictionary for Lovers é uma narrativa atravessada por uma história de amor. O primeiro amor dela e o último dele. Uma história de amor com cheiro de humanidade. Marcada pelas descobertas do sexo, dos ciúmes e pelo desabar de desencontros. Uma história de amor que está mais para um drinque forte, com um final levemente amargo, do que para água com açúcar.
'Love', this English word: like other English words it has tense. 'Loved' or 'will love' or 'have loved'. All these specific tenses means Love is time-limited thing. Not infinite. It only exist in particular period of time. In Chinese, Love (…) has no tense. No past and future. Love in Chinese means a being, a situation, a circunstance. Love is existence, holding past and future.” (301).
'Amor' essa palavra inglesa: como outras palavras inglesas têm tempos. 'Amei' ou 'amarei' ou 'ter amado'. Todos esses tempos específicos significam que o amor é uma coisa limitada no tempo. Não é infinito. Somente existe num período particular de tempo. Em chinês o amor não tem tempo. Não há passado ou futuro. O amor em chinês significa um estado de ser, uma situação, uma circustância. Amor é existência segurando o passado e o futuro”.
um abraço e inté a próxima

Nenhum comentário:

Postar um comentário