sexta-feira, 13 de novembro de 2015

estrangeira

por Carol Stampone

Estrangeira
tenho existido estrangeira
sobrado em terra estrangeira
faz algum tempo
há coisas que escapam de mim em língua estrangeira
outras que só sabem existir metidas na minha primeira língua
uma língua que não é minha
eu sei, mas também não sei

I'm broken
quase sempre é em língua estrangeira que essa verdade me alcança
acho que porque estar quebrada tem muito a ver com a minha condição de estrangeira

Estrangeira com letra maiúscula
se fosse minúscula era mais fácil?

estrangeira por opção
metida na periferia do mundo
por culpa do Zeca Pagodinho
que inventou de inventar
'deixa a vida me levar, vida leva eu'...

eu as vezes levo demasiado a sério verdades momentâneas
mas só as que sabem me alcançar
ou então as que caem-me encima, sem pedir licença

a língua que trava
há tanta coisa que não sei dizer em língua estrangeira
a repetição dos lugares comuns
exótica
a terra de onde eu vim é exótica
o meu jeito de falar é exótico
a minha cor é exótica

outro dia conheci um rapaz que me disse que era esquisito
era esquisito que eu viesse do Brazil e não tivesse a cor das brasileiras
a cor das brasileiras? eu perguntei
sim, aquela cor chocolate, ele respondeu

eu não sou chocolate, é verdade
sou estrangeira
nem sempre saibo bem
não sou saudável

eu e o cacau temos coisas em comum
nascemos os dois em terras de desigualdade
na minha produção, se você olhar bem no começo, vai encontrar trabalho escravo e até trabalho infantil
como acontece com a Nestlé

mas eu não tenho um montão de gente trabalhando no meu logo
me apresentando para o mercado de uma forma agradável
não
eu sou estrangeira, mão de obra barata
inimiga em potencial
bem vinda só até ali ou acolá
depende da crise
da pauta política
depende se as câmeras estão ligadas ou não.


Nenhum comentário:

Postar um comentário