segunda-feira, 26 de outubro de 2020


 a onda de existir 

no meio desse sistema 

que suga nossos sonhos

quebra nossos ossos

curva nosso corpo

deixa-nos exaustos e pequenos

a onda que veio antes de mim

e que segundo o que me foi dito

repetir-se-á inúmeras incontáveis vezes

depois que eu já não for

aceitei a história dessa onda

por um tempo longo

longo demais 

daí a crise da meia idade chegou

e arrancou de mim essa tendência de aceitar histórias porque sim

vi-me perguntando

"mas quem foi que disse?"

e "por que foi que o disse?"

quando dei por mim a onda já não sabia existir certeza imensa

meus olhos começaram a notar 

gente de carne e osso 

como eu

fazendo outras escolhas 

repetindo e reinventando

pequenos gestos de resistência 

meu corpo

habitado por essa urgência de viver até o talo

viu-se também dançando revolta

e convidando outras ondas

miudinhas

cor de rosa 

cor de gente 

cor de sonhos

pra ocupar 

não só minha vida

mas também o mundo 


Nenhum comentário:

Postar um comentário