quarta-feira, 6 de abril de 2016

Outra vez o documentário '15 Filhos'

Resultado de imagem para documentario 15 filhos

Já escrevi aqui no blog sobre o urgente e afiado documentário '15 Filhos' de Maria Oliveira e Marta Nehring. Quem quiser pode conferir o post aqui
Volto a falar sobre esse documentário porque as vozes daquel@s filhos e filhas ficaram aqui dentro de mim, me lembrando que a gente não deve esquecer os estragos da ditadura. É uma obrigação nossa rever a história oficial.
Cada vez que um dos filhos e filhas abrem-se, para lembrar da infância atravessada pela ditadura, não tem como deixar de ver a dor que carregam e vão sempre carregar consigo. A dor de quem está  para sempre atravessado por uma cicatriz inapagável. A dor de quem traz na pele, na história do corpo, das memórias e do espírito a injustiça tamanha que é uma ditadura. Ditaduras quebram, calam, desumanizam e seus estragos podem atravessar gerações. 
Em 15 Filhos uma das filhas diz: "Tanto na França quanto no Chile eu tinha a minha identidade. Eu era a Marta, a filha de um guerrilheiro morto". Identidade essa, para sempre atravessada por uma cicatriz, por uma procura, por um grito inapagável. Trata-se de uma identidade rasgada. A filha confessa que tentou e ainda tenta reconstituir um pai. Conta que tentou falar com as pessoas que tinham vivido com ele. Mas, que sabe que isso não resolve. O pai foi-lhe arrancado pela ditadura. Essa violência é parte de quem ela é. Grudou-se em suas circunstâncias.
Mas, será que ao fim e ao cabo nada resolve?
Uma solução não há. Não há como ressuscitar os desaparecidos, nem como devolver os anos de vida dos presos políticos, nem como deletar as marcas das torturas de que foram vítimas. Como bem coloca uma das filhas 'o pior da tortura é que é uma dor para a vida inteira. Não tem como apagar'. Mas, há o que fazer!
Denunciar! Não calar! Reescrever a história. Pensar sobre o que ocorreu e porque ocorreu. Por fim, lutar para que a história não se repita. 
Uma das filhas atira em nós um desabafo que me atingiu em cheio: "eu achava que a sociedade me devia alguma coisa. Porque se não tivessem deixado o golpe acontecer eu não tinha sofrido isso".
A sociedade deve-lhe sim muita coisa. Pois, ao fim e ao cabo foi omissa. Deixou-se levar pela propaganda da falsa revolução. Colheu os frutos do suposto boom econômico e escolheu fechar os olhos para o golpe militar brasileiro e para as diversas ditaduras pela América do sul afora.
A filha continua: "A dor era tão grande que não tinha como eu me abrir".
Hoje, quando essa dor ainda existe, mas também resiste, hoje quando tantas testemulhas dessa atrocidade passada têm voz, para falar, para denunciar, espero (talvez ingenuamente) que a gente tenha ouvidos, pele, coração e cérebro pra ouvir. Espero que a gente escute e lute para que as injustiças e atrocidades de ontem não voltem a ocupar o mundo, jamais.



Nenhum comentário:

Postar um comentário