a maldita


a maldita
não foi-lhe apresentada
mal entendida, mal explicada
mal colocada
jogada ali, na periferia do mundo, 
no escuro
não alcançou os corpos que habitam o centro do mundo
e sem saber porquê 
gastam existências inteiras
a repetir os velhos passos 
desenhados, ensaiados e vigiados 
pelo dito homem de bem. 

Comments

Popular posts from this blog

Os amantes do café Flore: Beauvoir e Sartre

O sangue dos outros de Simone de Beauvoir

Conversando com “Vozes Mulheres” de Conceição Evaristo